O encontro entre humanos e OVNIs foi amplamente classificado pelo astrônomo Allen Hynek, em seu livro de 1972 – The UFO Experience: A Scientific Inquiry into Three Types (A Experiência OVNI: Um questionamento Científico em Três Tipos) — Contatos imediatos do 1º, 2º e 3º graus.

Agora, os pesquisadores de OVNIs estenderam isso para 4º e 5º graus.

Quando uma pessoa diz ter visto um OVNI, podemos dizer que ela teve um ‘Contato Imediato do Primeiro Grau’.  Se houver outras testemunhas na mesma área e evidência em radar, então o avistamento se torna muito forte.  Centenas de pilotos, tanto civis quanto militares, têm tido estes tipos de encontros.

Um avistamento ou pouso de OVNI, o qual deixa para trás ou causa efeitos ou evidências físicas mensuráveis, pode ser categorizado como ‘Contato Imediato do Segundo Grau’. Este tipo de encontro pode causar feitos físicos colaterais às testemunhas, tais como paralisia ou queimaduras, e outros tipos de sintomas, como o mal funcionamento ou parada total do veículo da testemunha.  Os animais ao redor podem reagir.  Algumas vezes o pouso de um OVNI deixa para trás impressões físicas no solo, traços químicos e vegetação queimada.

O encontro do mecânico industrial, Stephen Michalak, com um OVNI na região do Lago Falcon, em Manitoba, Canadá, em 20 de maio de 1967, é um clássico Encontro Imediato do Segundo Grau, por duas razões.  Primeiro, traços físicos foram encontrados na área onde o OVNI supostamente pousou, e a testemunha passou por uma série de efeitos psicológicos devido a este encontro.  Este caso foi investigado extensamente pela Real Polícia Montada Canadense (RCMP), pelo Departamento de Defesa Nacional (DND), pela Real Força Aérea Canadense (RCAF), bem como o Departamento Manitoba de Saúde, a Comissão Condon e vários grupos civis de estudos OVNIs dos Estados Unidos e Canadá.  Diferentemente dos estadunidenses, as autoridades canadenses rapidamente agiram após alguns traços de radioatividade terem sido detectados nas amostras do solo da área de pouso do objeto, bem como nas roupas de Michalak.

De acordo com um documento governamental canadense, em 20 de maio de 1967, Michalak estava examinando uma formação rochosa, quando dois OVNIs apareceram perante ele.  Um dos OVNIs permaneceu no ar por alguns momentos, e então partiu em alta velocidade.  O segundo OVNI pousou a algumas dezenas de metros de sua posição. Quando Michalak se aproximou do OVNI, uma porta lateral se abriu e vozes vieram de dentro da nave, mas Michalak foi incapaz de ver o que tinha dentro, devido à uma luz amarela-azulada muito forte, a qual bloqueava sua visão.

Já que Michalak sabia seis línguas, ele tentou comunicar com a tripulação do objeto em inglês, russo, alemão, italiano, francês e ucraniano, mas não obteve sucesso. Quando ele se aproximou a poucos metros do objeto, a porta se fechou.  Ele escutou um som guinchante e o objeto começou a rodar na direção anti-horária, finalmente saindo do solo.

Ele estendeu sua mão esquerda com luva e tocou o objeto antes deles subir do solo; a luva queimou imediatamente.  À medida que o objeto deixou o solo, os gases queimaram seu boné, roupa de fora e íntima, e ele teve várias queimaduras no estômago e no peito.  Como resultado, ele ficou hospitalizado por vários dias.

Amostras do solo tiradas por Michalak da área ocupada pelo OVNI foram analisadas e descobriu-se que estavam tão radioativas que tiveram que ser descartadas com segurança.  Mais tarde um exame da área de pouso do OVNI foi feito por um radiologista do Departamento de Saúde e Bem-Estar, e foi detectado que uma pequena área estava radioativa. O radiologista não foi capaz de fornecer uma explicação sobre o que teria causado a área de ter ficado contaminada.

Ambas equipes de investigação da DND e RCMP foram incapazes de fornecer evidência que desafiariam a história de Michalak, de que ele teve um encontro com um OVNI.

Fonte: OVNI Hoje

Related Posts