Desde a sua suposta descoberta, em 1912, o manuscrito Voynich tem confundido os pesquisadores com a sua língua indecifrável, diagramas de plantas misteriosas, e diagramas cosmológicos psicodélicos. Creditado como tudo, desde uma enciclopédia enoquiana perdida até um texto alquímico fraudulento, as páginas de pergaminho em ruínas têm inspirado obsessão e frustração em igual medida.

As páginas do manuscrito envelhecido ganharam a atenção do público quando o folio delicado foi comprado pelo comerciante polonês Wilfrid Voynich. Após sua morte, o livro foi deixado para sua esposa, que o vendeu para um colecionador particular, que por sua vez doou o texto misterioso para a biblioteca da universidade de Yale, onde ainda reside hoje.

Apenas cerca de 240 páginas do manuscrito sobreviveram e elas continuam a confundir os linguistas e historiadores. A escrita no livro, à exceção de um punhado de palavras em latim, parece ser composta de personagens reconhecíveis, mas muitas figuras não parecem com nada, e seu idioma é praticamente intraduzível. Isto levou a uma série de teorias sobre o texto, alguns dizendo que é uma cifra codificada, outros dizendo que é uma linguagem religiosa perdida, e outros ainda alegando que é uma farsa, que não tem sentido algum. O manuscrito tornou-se uma espécie de Santo Graal entre criptógrafos, nenhum dos quais conseguiu decifrá-lo.

As ilustrações coloridas do livro não são mais esclarecedoras. A maior parte do conteúdo é biológico e cósmico, no entanto, não parece fazer nenhum sentido no geral. Ilustrações de plantas estranhas, em sua maioria, não parecem se encaixar com nenhuma espécie conhecida. Nas seções cósmicas, há gráficos intricados de estrelas que em sua maior parte não correspondem a nenhuma conhecida nos céus.

No entanto, Stephen Bax, professor de lingüística aplicada da Universidade de Bedfordshire, na Inglaterra, diz ter traduzido algumas palavras, como coentro, heléboro e zimbro ao lado de desenhos de plantas, além da palavra Taurus, escrita ao lado de uma ilustração das Plêiades, um aglomerado de estrelas na constelação de Touro.

“Eu bati na ideia de identificar nomes próprios no texto, seguindo abordagens históricas que decifraram com sucesso hieróglifos egípcios”, disse Bax. “O manuscrito tem um monte de ilustrações de estrelas e plantas.

Confira abaixo um ótimo documentário produzido pelo canal History onde se aprofunda em talvez o mais intrigante dos códigos já criados, o manuscrito Voynich:

Esta matéria foi sugerida pelo Filipe, membro do nosso grupo no Whatsapp.

Related Posts